sábado, 15 de março de 2008

A ira de Jonas

“Mas desgostou-se Jonas extremamente, e ficou irado”. Jonas 4: 1


A história do Profeta Jonas é uma das mais conhecidas da bíblia, sempre que ouço uma pregação acerca desse livro, sempre está voltada para a primeira parte do seu relato, quando Jonas tenta fugir da vontade de Deus.

Jonas em sua tentativa frustrada de fuga, compreende que é melhor obedecer a vontade do Senhor do que receber os seus juízos, evento esse que curiosamente ocorre dentro da barriga de um “grande peixe”.

Realmente é uma bela história, que ainda se mostra frutífera para ensinar vários cristãos ainda hoje. Entretanto eu quero me deter na parte final do texto do livro do profeta, onde são esclarecidos vários pontos importantes desse relato bíblico.

No ultimo capítulo do seu relato, ficamos sabendo o motivo real de Jonas tentar fugir da presença do Senhor. Poderíamos pensar que foi o medo de ser morto pelos ninivitas, ou a dificuldade da viagem, na época seriam inúmeros os motivos que levariam uma pessoa a tentar desobedecer a vontade de Deus.

Contudo o próprio profeta nos revela o motivo de ter se recusado a fazer aquela viagem, essa chave encontramos em Jonas 4:2 “... Por isso é que me apressei a fugir para Társis. Eu sabia que és Deus clemente e misericordioso, tardio em irar-se e grande em amor, e que te arrependes do mal”.

Para entender esse trecho, é preciso dar uma conferida no capítulo 3 do livro de Jonas, onde Jonas chega em Nínive, e o povo se arrepende de seus maus caminhos se colocando em súplica ao Senhor, pedindo perdão dos seu pecados, Deus então cancela o juízo que tinha sobre eles e os perdoa, assim como faz através da graça salvadora em Jesus.

Entretanto, uma pessoa não fica nada satisfeita com esse resultado: o próprio Jonas, que justifica sua tentativa de fuga com a bondade de Deus para com os pecadores, ele gostaria de ter sentado em um “camarote” e ter visto a destruição daquele povo, sem nenhum remoço, por se achar superior a eles simplesmente sendo Judeu.

Nos versículos finais do livro de Jonas Deus nos ensina uma importante lição, a compaixão, mostra mais uma vez que ele não faz distinção de pessoas, apenas requer de nos a busca pelo arrependimento.

Quantas vezes na igreja encontramos pessoas com as mesmas atitudes de Jonas, não se conformam com a graça de Deus, e a sua bondade para com o pecador que se arrepende. Jonas aprende que a compaixão faz parte do caráter de Deus, e que deve fazer parte do nosso caráter também.

Na minha opinião essa é a maior lição que temos a aprender com Jonas.

Denisson

3 comentários:

Fáttima disse...

Que coisa interessante!Relembrar a história de Jonas e perceber o senso de justiça que Jonas possuía, e ir além e perceber que de igual modo é o mesmo senso de justiça que possuimos, não é raro me deparar com minhas próprias expressões:"Bem feito!Eu bem que avisei!É pq a gente acha que justiça é punir aquele que erra, quando na verdade Jesus traduz justiça muita mais com compaixão e misericórdia.Mas existe algo terrivel em nosso meio é a de não aceitar a graça de Deus, esse favor imerecido, e isso aí, a igreja ta cheia!Muitos "justiceiros' nas nossas igrejas e pouca justiça!

F.Lago

Franck disse...

Jonas fugira de Deus,mas Deus lhe deu uma segunda oportunidade de participar da sua obra.Nós podemos sentirmos poucos qualificados para servirmos a Deus por causa do nossos erros cometidos no passado.Jonas deveria pregar somente o que Deus lhe ordenara-uma mensagem de condenação para uma das mas poderosas cidade de mundo.Por que Jonas se irou quando Deus poupo Nívine?Na época deste profeta,os judeus não queriam compartilhar a mensagem de Deus com as nações gentílicas,da mesma forma que resistiram a essa tarefa nos dia de Paulo(1Ts 2:14-16).Jonas revelou a razão de sua relutância em ir pra Nívine não queria que seus habitantes fossem perdoados,e sim que fossem destruidos>Ele não entendeu que Deus é soberano,misericordioso,graçioso,com todo mundo.As vezes as pessoas ou as igrejas desejam que o juizo e a destruição caiam sobre pessoas pecadoras cuja iniquidade parece exigir um castigo imediato.

Dani. disse...

A compaixão divina se estende ao significado maravilhoso de misericórdia - "Deus olhando com olhos de amor para nossa miséria". O que me impressiona, no entanto, é o que acontece na casa do Pai hoje, me remete as cartas que Paulo escreveu em direção as igrejas, quando as leio compreendo que muitos crentes praticavam os "atos" do culto, mas não realmente cultuavam ao Senhor e o resultado disso eram distinções, murmurações, fofocas, falta de compaixão...
Infelizmente como naqueles dias muitos crentes de nossas igrejas demonstram o mesmo comportamento.
Mesmo assim, agradeço ao Senhor pelo que tenho visto e crido, pois parte do que alimenta a minha fé é saber que os verdadeiros servos de Deus têm a esperança, e a buscam sempre, ainda que muitos dos que fazem parte do corpo se comportem momentaneamente como fez Jonas, ou mesmo nós tenhamos a infelicidade de agir de tal modo - prossigamos para o alvo que é Cristo, não esperemos que uma "baleia" - ou pecado - nos trague pra reconhecer o valor do outro, porque em Cristo somos um...
E ainda que enfrentemos situações tristes ou constrangedoras fazer como fez Davi - deixar a nossa alma louvar ao Senhor.

Dani.