segunda-feira, 30 de junho de 2008

A Vida

O que é a vida?
O dicionarista Aurélio traz as seguintes definições: 1. Conjunto de propriedades e qualidades graças às quais animais e plantas se mantêm em contínua atividade, manifestada em funções orgânicas, tais como o metabolismo, crescimento, reação a estímulos etc. 2. Espaço de tempo que os organismos se mantêm nessa atividade desde o nascimento até a morte.
O ser humano é o único ser vivo consciente de sua existência. Por isso, o fato de saber que existimos é muito mais importante do que saber o que é a vida conceitualmente. Não precisamos perder tempo tentando descobrir “o que é a vida”. Fato é que existimos. Por exemplo: aquele seu animal de estimação não “sabe” que está vivo, não tem consciência dessa realidade.
O fato de existirmos nos capacita a fazer escolhas. Deste modo, somente quando agimos, e, sobretudo, quando fazemos uma escolha é que nos relacionamos com a nossa própria existência.
A vida é efêmera e o Senhor nos diz que ela é semelhante a bruma. Jó percebendo essa realidade afirmou: “O homem, nascido da mulher, é de poucos dias e cheio de inquietação”(14.1-2).
Quando se vive sem Jesus não passamos de uma sombra que a tudo se conforma, mas que não dá forma a nada. Assim diz Isaías: “Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar” (55.6-7).
Jesus é o único que pode nos dar a vida. Quando somos transformados pelo Espírito Santo do Senhor, somos regenerados e nascemos novamente. Em João 11.25 essa afirmação é bem clara: “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente”.
Cristo é a nossa vida, conforme lemos em Colossenses 3.4.
O apóstolo João é bastante claro e categórico ao afirmar que: “Aquele que tem o filho tem a vida; aquele que não tem o filho não tem a vida” 1º João 5.11-12.
Por isso, amigo leitor, se desejas viver, entrega o teu caminho ao Senhor Jesus que o mais ele fará.

sábado, 28 de junho de 2008

O "filho de Deus" também é brasileiro

Sabe aquele cara que anda dizendo ser a reencarnação de Jesus (e pior: parece que ele acredita)? Pois é, algumas discípulas de INRI CRISTO fizeram uma versão mística do clássico contemporâneo Hotel Califórnia que ficou... é... acho melhor vocês assistirem.
Lembro que há um tempo um apresentador de televisão perguntou porque ele gostava tanto de viajar de avião. O INRI respondeu que era pra cumprir a profecia bíblica de que ele viria sobre as nuvens.
Se quiser conhecer mais um pouco sobre essa figura, clique aqui. Lá no site diz que "todo e qualquer filho de Deus que acessar e divulgar essa página será agraciado com as bençãos dos céus". Vamos ver se é verdade mesmo, né?


video


Ministro do STF acata pedido de ‘habeas-corpus’ para "bispos" da Universal

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) de Brasília, Ricardo Lewandowski, acatou o pedido de habeas-corpus do advogado César Faria para os bispos Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda, acusados por Sílvio Galiza, que cumpre pena de 18 anos, de serem co-autores no assassinato do adolescente Lucas Terra, em 2001.
Lewandowski argumentou que não havia provas da autoria nem motivação por parte dos acusados e expediu alvará de soltura para Fernando da Silva, que deixou o prédio da Polinter, anteontem à noite, em Salvador, e um contramandado de prisão em favor de Joel Miranda, que até então não havia se apresentado em juízo.

César Faria assumiu a defesa dos dois bispos da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) há cerca de 15 dias, depois que o advogado Márcio de Oliveira Filho alegou questões pessoais para deixar o caso. Ele considera que a vitória no STF “é o começo da comprovação da inocência dos clientes”.
Mostrando o parecer do ministro Lewandowski, informa que, “primeiramente, ele (o ministro) diz não haver evidência da participação dos bispos no assassinato”. Ainda com base no documento do STF, o advogado diz que os dois pastores tinham sido citados através de cartas precatórias, sendo normal que fossem ouvidos nos locais em que moram, em Pernambuco (Fernando Aparecido) e em Recife (Joel Miranda). “O ministro acrescenta que não ficaram esclarecidas a autoria nem a motivação para que ambos tenham participado de um crime tão hediondo”, reforça Farias.
O advogado dos "pastores", que também é professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (Ufba), informa que não havia motivo para que fossem marcadas tantas audiências em Salvador, já que o próprio juiz expediu carta precatória para que ambos pudessem ter oitivas nas cidades em que moram. “Em nenhum momento meus clientes se recusaram a ser ouvidos pela Justiça. Pelo contrário, se não estou enganado, Joel Miranda tinha sido ouvido em Cabo Frio e alguns dias depois foi expedida a prisão preventiva contra ele”, disse Faria. Disse também que o bispo Fernando Aparecido iria ser ouvido no último dia 5, em Recife.
“Na verdade, eles nunca faltaram a audiências, mas a série marcada para Salvador deixou-os em situação vexatória diante da opinião pública. Mas vamos reverter este quadro”, assegura o advogado. O próximo passo da defesa agora será solicitar uma audiência com o juiz Vilebaldo Freitas, titular da 2ª Vara do Júri, no Fórum Ruy Barbosa, e o promotor público Davi Gallo Barouh para o prosseguimento do caso, logo após o término da greve dos servidores do Judiciário.

Pai da vítima expressa revolta

“Uma decepção muito grande. Nem tenho palavras para demostrar o tamanho de minha revolta. Acreditei na Justiça”, desabafou Carlos Terra, pai de Lucas Terra, sobre a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que concedeu o habeas-corpus aos bispos Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda. “Esta decisão só reforça a tese de que as leis brasileiras, infelizmente, têm brechas para favorecer pedófilos, assassinos e demais criminosos”, desabafou.

Para Carlos Terra, a decisão judicial pôs em liberdade pessoas que, ao logo do tempo, poderão cometer novos crimes. “Eles violentaram, espancaram e depois queimaram vivo meu filho porque ele flagrou Fernando e Joel mantendo relações sexuais. Como alguém pôde saltar estes monstros. Se fizeram isso com meu Lucas, podem fazer com outros jovens também”, disse em tom de indignação e raiva. Sete anos após o crime, Carlos Terra diz que a dor da impunidade é a mesma de quando recebeu a notícia de que os restos mortais de seu filho caçula haviam sido encontrados na Avenida Vasco da Gama. “E a família, como fica? Meu filho está morto e os assassinos estão na rua. Que país é este?”.

Mesmo diante de toda a situação, Carlos Terra garante que não desistirá. “Vou continuar lutando com todas as minhas forças, nem que seja a última coisa que faça na minha vida, mas vou vê-los atrás das grandes, de onde não deveriam ter saído”, esbravejou. Carlos aguarda o fim da greve dos servidores do Judiciário para que o juiz Vilebaldo Freitas, titular da 2ª Vara do Júri, informe o dia da tão esperada acareação entres os dois pastores e Galiza, no Fórum Ruy Barbosa. (BW)

Relembre o caso
O ASSASSINATO de Lucas Terra ocorreu no dia 21 de março de 2001 dentro do templo da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), no Rio Vermelho. O jovem foi estrangulado e sofreu abuso sexual pelo então pastor auxiliar Sílvio Galiza, que foi julgado e condenado a 18 anos de prisão. Lucas teve o corpo queimado em um terreno baldio, próximo à Avenida Vasco da Gama, e o laudo pericial constatou, posteriormente, que neste momento ele ainda estava vivo. Galiza cumpre pena no Complexo Penitenciário do Estado, na Mata Escura. Depois de preso, Silvio Galizza denunciou os bispos Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda de co-autoria no assassinato. (JS)
Fonte: Correio da Bahia

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Evangélicos invadem Congresso contra projeto que criminaliza a homofobia

"Um grupo de evangélicos tentou invadir o Congresso Nacional nesta quarta-feira em protesto contra a aprovação do projeto que criminaliza a homofobia (discriminação contra homossexuais) no país. Cerca de mil evangélicos fizeram uma manifestação em frente à sede do Legislativo para evitar a votação do projeto. Os manifestantes querem ter o direito de criticar a homossexualidade, sem punições estabelecidas na legislação.

O projeto está em discussão na CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado, sem previsão de entrar na pauta de votações do plenário. "Achamos que o problema da discriminação não atinge só os homossexuais, mas também os negros, as mulheres, até mesmo nós evangélicos. O projeto de lei dá poderes ditatoriais a uma minoria. Se um funcionário for dispensado de uma empresa, por exemplo, pode alegar homofobia e o dono da empresa vai ser preso por crime hediondo, inafiançável. Queremos trazer um projeto para proteger todas as minorias", disse o deputado Rodovalho (DEM-DF), da Igreja Sara Nossa Terra.

Parte dos manifestantes pressionou seguranças do Senado para ingressarem na Casa. Houve empurra-empurra e princípio de tumulto em frente à entrada principal do Legislativo. O grupo fez orações contra a aprovação do projeto, conduzidos pelo pastor Jabes de Alencar, da Assembléia de Deus.

"Senhor, sabemos que há uma maquinação para que esse país seja transformado numa Sodoma e Gomorra [cidades bíblicas que teriam sido destruídas pelos excessos cometidos por seus moradores]. Um projeto desses vai abrir as portas do inferno", disse o pastor.

Alguns dos manifestantes conseguiram ingressar no Senado e foram recebidos na presidência pelo senador Magno Malta (PR-ES). Evangélico, Malta ocupa interinamente a presidência uma vez que o senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) está fora de Brasília. O pastor Silas Malafaia, da Assembléia de Deus, entregou um documento para Malta contra a aprovação do projeto. "Esse projeto de livre expressão sexual abre as portas para a pedofilia. É uma afronta à Constituição e à família", disse o pastor.

O deputado Miguel Martini (PHS-MG), que integra a frente parlamentar em defesa da família e da vida, disse que o projeto quer "calar a boca" dos cristãos contrários à homossexualidade. "Nós amamos os homossexuais, porque são nossos irmãos, mas não amamos o "homossexualismo'. É um grande combate que estamos enfrentando entre luz e trevas. Não aceitamos discriminação de ninguém, mas não aceitamos sermos discriminados em nossas convicções religiosas."

Críticas

Relatora do projeto no Senado, a senadora Fátima Cleide (PT-RO) criticou a mobilização dos evangélicos contrário à criminalização da homofobia. "Infelizmente alguns religiosos utilizam discurso político para tentar ludibriar as pessoas crentes e tementes a Deus. Há que se observar aí mais uma postura de intolerância, pois em qualquer religião há diversidade dos seres humanos", afirmou.

O projeto, de autoria da ex-deputada Iara Bernardi (PT-SP), considera crime o preconceito de gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero. O texto foi aprovado pela Câmara no ano passado e tramita no Senado."

Fonte: Folha Online (25/06/2008)

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Faça a tua parte que Eu te ajudarei

Quem nunca ouviu alguém dizendo, com um ar todo entusiasmado, a frase acima?
Pois é. Esta frase não está na Bíblia, mas muita gente tem certeza do contrário.
A verdade é que a tradição nos ensina muito mais coisas erradas que imaginamos. Por exemplo: você sabia que os magos que visitaram Jesus não eram reis? E que também não eram três? E mais, não se encontraram com Jesus na manjedoura?
Estas e outras coisas que a Bíblia não diz, mas muitos pregadores e mestres dizem, foram catalogadas pelo teólogo Paulo de Aragão Lins, e podem ser conferidas aqui.

Isto É fala sobre a fé da juventude

"É fato que no campo religioso, hoje, há muitas outras formas não institucionais de espiritualidade, como esotéricas, holísticas, nova era, e não raro se encontram em uma mesma família quatro, cinco religiões presentes. Os símbolos religiosos, antes difundidos na igreja e no âmbito familiar, circulam mais por outras áreas de domínio público, como em blogs sobre religião, nas camisetas dos jogadores de futebol e em feirinhas. Até na moda. Tudo isso facilita o espírito buscador do jovem e sua adesão ao estado de "religioso sem religião".
Nesse universo, é socialmente possível - algo impensável em épocas passadas - um jovem ir à missa de manhã e meditar em um templo budista à noite. "Na juventude é o momento de se experimentar. E, hoje, também se experimenta religião", enfatiza a pesquisadora Regina."
Mais aqui.

domingo, 22 de junho de 2008

A Verdade

“Respondeu-lhes Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vai ao Pai senão por mim”. João 14.6
O que é a verdade?

Este é um dos questionamentos mais intrigantes da humanidade e vem durante séculos da existência humana “atormentando” diversos pensadores.
Hoje, dizem alguns, “tudo é verdade” ou, ao contrário, “tudo é relativo”. “Você tem sua verdade e eu tenho a minha”... afirmam os mais céticos.
Dessa forma, há tantas verdades quantos seres humanos na terra. Vive-se a época da pluralidade dos comportamentos, dos sentidos e das crenças. Há, conseqüentemente, um desprezo a todo e qualquer valor absoluto. Nada mais universal que a singularidade de cada mente racional...
Os mestres da antiguidade, como Sócrates e Confúcio, procuravam encontrar a verdade e incitavam seus alunos a fazerem o mesmo.
Em Jesus tudo é diferente. Ele é a própria verdade. É a verdade encarnada. É a consumação das promessas de Deus de que Ele salvaria o seu povo. Jesus prova que Deus existe e nos ama. Em Jesus a história humana atinge o seu clímax, num encontro inesquecível entre o ser Perfeito e a criação decaída.
Portanto, Jesus não estava à procura da verdade, mas remetendo para ela, apontando para si mesmo. “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas”. Mateus 11.29.
Pilatos, cidadão romano, também questionou Jesus acerca da verdade, conforme nos relata João, o discípulo amado, no cap. 18.37-38: “Perguntou-lhe, pois, Pilatos: Logo tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. Perguntou-lhe Pilatos: Que é a verdade? E dito isto, de novo saiu a ter com os judeus, e disse-lhes: Não acho nele crime algum”.
No evangelho de João, essa realidade é descrita em diversos momentos, como em João 1. 14 – “E o verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória como a glória do unigênito do Pai”; 1.17 – “Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo”.
Igualmente, na oração sacerdotal, conforme descrito em João 17.17, Jesus pede a Deus: Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade”. Jesus é a palavra de Deus, o verbo encarnado. É a verdade que liberta – João 8.32.
Todavia, por mais significativo que sejam essas afirmações, só uma experiência efetiva com Jesus te mostrará a verdade de minhas palavras e verás, então, o poder de Deus para a Salvação de todo aquele que Nele crê.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

O Caminho

“Respondeu-lhes Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vai ao Pai senão por mim”. João 14.6
Jesus, com essas palavras, estava respondendo ao questionamento de Tomé e instruindo os apóstolos acerca do reino de Deus. Já havia predito quem o trairia e até alguns gregos desejaram conhecê-lo. Havia ministrado uma lição de humildade ao lavar os pés dos seus discípulos e falava-lhes, naquele instante, de uma morada celestial que Ele lhes estava preparando. Mas os discípulos não entenderam... como saber o caminho se eles não sabiam para onde Jesus iria?
Por quê, amigos leitores, Jesus afirma que Ele é o caminho?
É sabido que os mestres da antiguidade clássica cultivavam o hábito de ensinar enquanto caminhavam. A natureza era uma grande sala de aula.
Na Grécia antiga havia até uma escola denominada “Peripatus” ou “Escola Peripatética”, pois peripatus era o nome de um caminho utilizado pelos professores para ministrar as aulas aos seus pupilos.
Jesus também tinha esse costume, constituindo-se num Mestre peregrino por excelência. Em suas andanças pela Palestina, Ele ensinou, pregou e operou diversos milagres, numa simbiose perfeita entre as suas palavras e os seus atos.
Neste sentido, quando Jesus afirma que Ele é o caminho, está nos mostrando em que direção seguir. “Caminho” denota justamente isso: direção, alvo, objetivo, destino. Jesus é o nosso rumo certo.
Em Hebreus 12.1-2 está escrito: “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvens de testemunhas, desembaraçando-nos de todo o peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus”.
Quando Jesus nos é apresentado, abre-se para nós a oportunidade de tomar a mais importante decisão de nossas vidas – em que direção devemos seguir? Por onde ir?
A Bíblia nos mostra claramente que só há um Deus e só um caminho para se chegar até Ele. Jesus é o caminho. Lucas afirma, em Atos 4.12: “não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos”.
É fundamental observar, neste versículo, que o artigo empregado no texto é definido: “Eu sou o caminho”. Verifica-se, até gramaticamente, que Jesus não é “um” dos caminhos, Ele é o único caminho.
Nota-se, por conseguinte, que o famoso ditado popular “todos os caminhos levam a Deus” está errado. É um engodo para as mentes dos incautos. Só há um meio. Por isso, Paulo, quando escreve a Timóteo (2.5), afirma: ”Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem”.
Portanto, hoje e sempre, se alguém deseja ser salvo precisa receber Jesus em seu coração como Salvador.
Se você não segue a Jesus, está na direção errada. E quando erramos o caminho, distanciamo-nos do nosso alvo, fugimos ao nosso objetivo. Quando pegamos uma estrada errada, perdemos tempo. Às vezes, muito tempo. Isso faz com que a vida passe muito rápido, pois ao desfrutarmos situações novas e inesperadas somos tentados a viver imersos nesta ilusão, atribuindo um valor demasiado ao que não vale a pena.
É triste estar no caminho errado, a deriva das sensações e dos sentidos. Errar o caminho é ruim sim. Mas não saber para onde ir é ainda pior.
Um barco à deriva é constantemente açoitado pelo vento e fustigado pelas ondas. Ele tem apenas um destino: o naufrágio. Ao afundar, esse barco levará consigo muitas vidas e silenciará eternamente os sonhos de seus tripulantes.
O salmista Davi, sabedor de tudo isso, rogou ao Senhor: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno”.
Percebam, pois, que Jesus é o caminho seguro rumo a vida eterna, é a lâmpada para os nossos pés e a luz da nossa jornada.
Deus te abençoe!!

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Porque Deus é Humor


Retirei esta charge do blog Porque Deus é Humor, escrito que pelo pastor Jasiel Botelho. Fica aí uma excelente dica para diversão saudável e inteligente.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Para quem gosta do que é simples

Não se preocupe com Deus. Ele cuida de Si mesmo. Ele se defende. Ele é maior de idade.
Não se angustie por Deus. Ele não se transtorna e nem se abala.
Não defenda Deus. Se Ele não defender a Si mesmo, por que haverá você de fazê-lo? Você tem melhores argumentos?
Não se aflija em fazer Deus compreensível. Isto não é possível. Ele revela a Si mesmo ou nada é discernido.
Fale de Deus como Ele fala de Si mesmo.
Fale de Jesus como Jesus falou de Si mesmo.
Fale do Evangelho como ele fala em si mesmo.
Nunca discurse Deus. É obra de artífice de ídolos de linguagem.
Nunca filosofe Deus. É a louca-loucura dos sábios, que é a maior insensatez para Deus.
Nunca doutrine sobre Deus. É melhor oferecer bula de remédio a um doente analfabeto.
Confie sempre na verdade. Ela é invencível.
Confie sempre no amor. Ele é de Deus; pois Deus é amor.
Confie sempre que a paz é a melhor arma e a melhor defesa.
Creia simples e tudo será maravilhoso.
Creia complexo e você jamais terá alegria.
Creia, apenas creia, e tudo passará a ser possível.
Mas, sobretudo, seja sincero com Deus e com você mesmo, pois, sem isso, nada acima é verdade.
Nele,

Caio Fábio

domingo, 15 de junho de 2008

Templo é dinheiro II

Esta é a imagem da casa do Bispo Macedo sendo construída.
Quatro andares, trinta e cinco cômodos e elevador panorâmico.
Para ele a teologia da prosperidade funcionou.

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Milagres ainda acontecem?


A postagem anterior, na qual comentei sobre um famoso tele-evangelista (ou tele-vigarista) que foi desmascarado, dá ensejo a uma reflexão bastante interessante: milagres ainda acontecem?

Nesse campo as opiniões são as mais diversas. Enquanto, para alguns, milagres não existem e nunca existiram, para outros, esses milagres são tão naturais que quase perdem sua qualidade de extraordinários (veja, por exemplo, o "Show da Fé") . Há também quem reconheça que eles aconteciam nos tempos bíblicos, mas que hoje não acontecem mais.

Confesso que nunca vi acontecer na minha frente qualquer milagre da envergadura daqueles que são relatados na Bíblia. O que acontece, muitas vezes, é que fenômenos que poderiam ser explicados normalmente de outras formas são considerados intervenções divinas diretas.

Em contrapartida, não posso negar também que, não poucas vezes, ocorrem algumas coisas que não podem ser justificadas de maneira convencional. De fato, não consigo explicar muitos acontecimentos da minha vida, o que dá indícios de uma participação sobrenatural.

Mas, além destas opiniões que já são bastante conhecidas, existe uma maneira especial de se encarar a existência dos milagres.

Há algum tempo assisti a alguns episódios de uma série que tentava explicar vários fenômenos narrados na Bíblia. Explicavam, por exemplo, como poderia ter acontecido o episódio da sarça ardente e o do Mar Vermelho que se abriu. Nesses casos, algumas justificativas naturais foram encontradas, mas não se conseguiu explicar como, por exemplo, o Mar Vermelho teria sido aberto exatamente no momento em que os hebreus fugiam do exército de faraó.

Parece que tudo depende de como os fenômenos são vistos. A sarça que ardia e não se consumia poderia ser explicada racionalmente. Mas como explicar a voz e a ordem divinas para que Moisés liderasse o povo em direção à liberdade? Creio que esse princípio pode ser aplicado em várias circunstâncias.

Tudo isso me faz lembrar uma frase que diz que existem duas maneiras de se viver: como se milagres não existissem ou como se tudo fosse um milagre. O que acontece na sua vida, portanto, pode ser visto de um prisma natural e também de um sobrenatural. Afinal de contas, Deus é soberano e mantém o controle de todas as coisas.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Templo é dinheiro

video

Peter Popoff foi um dos tele-evangelistas americanos mais famosos da década de 80. Como um bom adepto da teologia da prosperidade que era, além de riquezas, prometia também curas inacreditáveis.

Mas é claro que tudo isso não saía de graça. Popoff solicitava contribuições generosas e mais, vendia produtos como, por exemplo, lenços com o seu suor abençoado (!).

O vigarista foi desmascarado por James Randi, um conhecido desmascarador de charlatões. Descobriu-se que, antes dos shows de fé, Popoff solicitava que os incautos preenchessem formulários, para que recebessem orações.

Durante os eventos, sua esposa transmitia as informações através de um rádio diretamente a Popoff, que por sua vez, dizia receber as revelações dos altos céus.

Imagine se esse tal de James Randi resolvesse visitar o Brasil...

terça-feira, 10 de junho de 2008

Pastores venezuelanos confidenciam temores e dividem lágrimas

VENEZUELA (*) - Há poucos quilômetros dentro da abafada floresta venezuelana, que faz fronteira com a Colômbia, grupos guerrilheiros se movimentam sem que as autoridades locais ofereçam nenhum obstáculo. A população civil já se acostumou com o enxame de guerrilheiros que circula pelo local.

Em meio à essa atmosfera tensa, nove pastores confidenciaram seus temores e dividiram suas lágrimas com a Portas Abertas em uma série de reuniões realizadas nos dias 8 e 9 de abril. Juntos, os pastores e a Portas Abertas elaboraram um plano de ajuda aos cristãos da Venezuela.

Na opinião dos pastores e de outras pessoas, o presidente Hugo Chávez quer “colocar ordem” nas organizações independentes – e que, portanto, não podem ser monitoradas. Entre essas organizações está a Igreja. Muitas congregações são arredias no que diz respeito ao controle de qualquer tipo de governo humano.

Desde sua eleição como presidente, em 1998, Hugo Chávez tem dirigido a nação rumo ao socialismo. Apesar de o Reino de Deus ser espiritual e o socialismo, materialista, há pastores que compartilham a ideologia de Chávez e estão dispostos a acomodar seu ensino bíblico a essa ideologia.

Para os chavistas, o governo tem sido bastante generoso, dado dinheiro e ajudado com programas sociais e de desenvolvimento. Em troca, os beneficiados precisam apoiar Chávez e mesmo informar ao governo o que acontece na igreja.

Para aumentar o controle, Chávez estabeleceu Conselhos Públicos em praticamente todas as comunidades venezuelanas. Em abril do ano passado, a Assembléia Nacional aprovou a Lei dos Conselhos Públicos que regula o funcionamento e o financiamento desses órgãos.

Nos conselhos, os cidadãos criam, controlam e avaliam a política pública. Somente as pessoas que concordam com a política de Chávez podem participar dos conselhos, o que inclui muitos cristãos que concordam com a linha social do governo.

Perseguição velada

Recentemente, o Pr. Armando* foi acusado de “obstruir a paz entre vizinhos”. O motivo: ele se encontrou com outro pastor e alguém reclamou que os dois homens estavam orando muito alto.

No dia seguinte ele foi informado que um conselho público estava pronto para expulsá-lo de seu apartamento. Quando Armando disse que não oraria em seu apartamento com seu amigo novamente, o conselho permitiu que ele permanecesse em sua casa.

Desde o dia 11 de janeiro de 2007, cerca de 35.000 conselhos públicos foram estabelecidos. A expectativa é que esse número cresça para 50.000 até o meio deste ano.

Os conselhos, formados por pessoas que respondem ao governo venezuelano, têm poder para tomar decisões locais e judiciais, entre elas o poder de confiscar propriedades. Os conselhos também são apoiados por milícias que também trazem informações sobre pessoas que discordam da política de Hugo Chávez.

Igreja dividida

Atualmente, a Igreja da Venezuela está dividida. Alguns pastores entendem o perigo que essa situação pode trazer para o futuro da Igreja. Outros não. No início de sua campanha pela presidência, Hugo Chávez chorou na frente de pastores e pediu para que orassem por ele. Depois de eleito, entretanto, em seu programa dominical “Olá, Presidente”, Chávez disse que não acreditava no Deus Todo-Poderoso em que os cristãos acreditam.

Ele chamou o Gênesis e o fato de Deus ter criado Eva de uma costela de Adão de “absurdo”, acrescentando que nunca tinha crido naquilo, nem mesmo quando era criança e freqüentava a Igreja Católica romana.

Medidas de Chávez impostas aos cristãos:

O referendo radical de 2007 de Hugo Chávez inclui medidas que pretendem submeter a igreja venezuelana ao controle estatal. As medidas incluem:

• A igreja deve ter o mínimo de 200 membros e ter um certificado dos conselhos públicos.

• Congregações menores precisam alcançar o número mínimo de membros.

• Todas as igrejas de uma comunidade devem utilizar o mesmo prédio.

• Os pastores são obrigados a realizar casamento entre homossexuais.

• Os pastores que pregarem contra o homossexualismo e determinadas questões morais devem ser denunciados e condenados (exatamente como tenta-se implantar no Brasil).

Mesmo que a punição não tenha sido estabelecida, é provável que seja pena de prisão.

No dia 6 de dezembro de 2007, a votação nacional refutou essas medidas com pouca diferença de votos. Mesmo depois de os eleitores estreitarem sua passagem, Hugo Chávez continua em sua caminhada rumo ao controle da Venezuela – e da Igreja venezuelana. O presidente impôs mudanças ao país “por trás dos bastidores” que copiam os modelos chinês, cubano e de outros países socialistas.

Uma das maneiras de impor sua vontade é através do Congresso “de fachada”, constituído por maioria chavista. Logo, o Congresso discutirá as medidas e vai decidir se as transformarão em lei ou não.


Tradução: Priscilla Figueiredo

* Este país não se enquadra entre os 50 mais intolerantes ao cristianismo.

Fonte: Portas Abertas, em 22/05/2008.

Crentes famosos

Nasceu, nesta madrugada, o primeiro filho do jogador “gospel” Kaká.
Ele é, sem dúvida, um dos poucos evangélicos famosos que não nos matam de vergonha. Quando olhamos para os crentes no esporte, na política e em outras áreas que põem as pessoas em evidência, ficamos a nos perguntar até que ponto nós colaboramos para salgar esse mundo.
Apesar disso, muitas vezes nos orgulhamos em ver um crente em destaque. Isso revela um pouco de complexo de inferioridade religiosa. Digo isso porque sempre fomos bastante irrelevantes nos vários setores da sociedade e, talvez por isso, ficamos ansiosos para mostrar que existe crente importante também.
A nossa ansiedade deve ser, na verdade, para ver um evangélico fazendo algo mais que um bom cidadão. E o crente, em qualquer área, deve ser mais que um bom cidadão, deve ser excelente.
“Sede meus imitadores, assim como o sou de Cristo.”
Outro problema é que a igreja não sabe lidar com um famoso novo convertido. Se este é cantor, a primeira coisa a fazer é lançar um CD gospel. Isso antes mesmo do neófito passar pelo discipulado e mostrar alguma maturidade cristã. E mais, com certeza esse novo cantor gospel será sempre apresentado como "ex-não-sei-o-quê".
Só pra concluir. Os péssimos exemplos dos crentes famosos não são algo tão absurdo assim. Eles mostram mais ou menos como é a coisa entre os não-famosos. Olhe para os exemplos ao seu redor e verifique.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Por favor, de novo não.

Texto de Ricardo Gondim escrito há um tempo e que tem tudo a ver com algumas tragédias que aconteceram mais recentemente.

Por favor, não quero ouvir explicações piegas para as tragédias asiáticas.

Por favor, me poupem de ter que escutar: “os asiáticos são budistas, portanto, idólatras que merecem que Deus transborde o cálice de sua ira”.

Por favor, não me falem que a mordida de Adão e Eva no fruto proibido foi a causa primária de tanto sofrimento. Se tais raciocínios formam a lógica que fundamenta algumas premissas, não quero partilhar dessa lógica. Caso tenha que pagar o preço de ser chamado de herege por não pensar dentro dessa fôrma, não me importo. Abro mão da análise do biblista, do hebraísta, do professor de teologia sistemática, seja lá de quem for, que pesca as narrativas do Antigo Testamento para mostrar como Deus castiga as nações com o “furor do seu ódio”.

Por favor, me deixem em paz. Quero aprender a chorar para assistir ao noticiário com outro espírito.

Por favor, deixem eu criar mais indignação contra os ditadores de Myamar.

Por favor, tenho que reconstruir os conteúdos do meu coração diante de tanta dor.

Soli Deo Gloria.

domingo, 8 de junho de 2008

Embrião congelado por 8 anos produz bebê

CLÁUDIA COLLUCCI
Enviado especial da Folha de S.Paulo a Mirassol

Aos seis meses de idade, Vinícius é um bebê que adora papinha de mamão, já tenta sair sozinho do carrinho e dá sonoras gargalhadas durante o banho. O menino foi gerado a partir de um embrião congelado durante oito anos, um recorde no país. Pelos critérios da Lei de Biossegurança, seria um embrião indicado para pesquisas com células-tronco embrionárias.

A lei, aprovada em 2005, enfrenta uma ação de inconstitucionalidade movida pelo ex-procurador-geral da República, o católico Claudio Fonteles. Ele acha que destruir embriões de cinco dias para a extração de células para pesquisa viola a Constituição, que garante o direito à vida.

O julgamento da ação no Supremo Tribunal Federal foi interrompido na última quarta-feira por um pedido de vista do ministro Carlos Alberto Menezes Direito.

Vinícius nasceu após quase 20 anos de tentativas de gravidez do casal Maria Roseli, 42, e Luiz Henrique Dorte, 41, de Mirassol (SP), que incluíram quatro fertilizações in vitro (FIV) e três abortos de gêmeos no terceiro mês de gestação. A mulher tinha endometriose e o marido, má qualidade dos espermatozóides, fatores que impediam uma gravidez natural.

Na última FIV, feita em 1999, Maria Roseli produziu nove embriões. Transferiu quatro para o útero, mas não engravidou. O casal decidiu então congelar os cinco embriões restantes. "Resolvemos dar um tempo. Não suportaria a dor de mais um aborto", relata a mãe.

Naquele mesmo ano, adotaram Paulo Henrique, à época com um ano e seis meses. "Era um menino frágil, cheio de problemas de saúde. Ficamos tão envolvidos com ele que nem percebemos o tempo passar."

Em 2006, o casal recebeu um telefonema da clínica de reprodução em Ribeirão Preto, onde haviam feito o tratamento, questionando sobre o destino que pretendiam dar aos cinco embriões. "Resolvemos transferir, mas sem muita esperança de dar certo", conta Luiz Dorte.

Em três ocasiões, a transferência dos embriões congelados para o útero teve de ser adiada porque o endométrio de Maria Roseli não atingia a espessura mínima. Em fevereiro de 2007, os embriões foram, enfim, descongelados. Três sobreviveram e foram transferidos ao útero de Maria Roseli. Um se fixou. "Nem comemorei muito porque tinha o fantasma dos abortos aos três meses que ficava me rondando", diz ela.

Com 28 semanas de gestação, ela sofreu uma hemorragia provocada pelo rompimento de duas veias na placenta e o parto teve de ser induzido para preservar a vida da mãe. Vinícius nasceu com 1,2 kg medindo 36 cm e, dez dias depois, chegou a pesar 840 gramas.

Foram necessários 22 dias de UTI neonatal e mais um mês de internação hospitalar para que o menino atingisse 1,8 kg e tivesse alta da maternidade.

"Meu filho venceu oito anos de congelamento e a prematuridade. Imagine se eu tivesse desistido dele e doado o embrião para pesquisa? Acredito sim que há vida [nos embriões], o Vinícius é a prova disso", diz Maria Roseli, católica praticante. Ela afirma ser favorável às pesquisas com células-tronco embrionárias, mas "não teria coragem" de doar seus embriões para esse fim.

O ginecologista José Gonçalves Franco Júnior, detentor do maior banco de criopreservação do país, onde os embriões de Maria Roseli ficaram, também aposta na viabilidade dos congelados. Sua clínica já obteve 402 nascimentos de bebês a partir de embriões criopreservados, a maioria acima de três anos de congelamento.

"É uma loucura falarem que embrião congelado há mais de três anos é inviável. E isso não tem nada a ver com religião. A viabilidade é um fato e ponto. Os maiores centros de reprodução na Europa defendem o congelamento de embriões como forma de evitar a gravidez múltipla", afirma o médico.

Fonte: Folha Online, em edição do dia 10/03/2008

P.S. Na semana passada o Supremo Tribunal Federal julgou constitucional, com algumas ressalvas, a lei de Biossegurança, que autoriza pesquisa com células-tronco embrionárias.

sábado, 7 de junho de 2008

Crentes que não conhecem a graça

Comentei na última postagem sobre pessoas que, por estarem longe de Deus, tornam-se amarguradas e perdem de vista o sentido da vida.
Mas há ainda um aspecto que merece ser lembrado. Não é menos verdade que dentro da igreja existem também muitas pessoas amarguradas e frustradas.
Ora, se Jesus é aquele que dá vida em abundância e nEle as pessoas tornam-se novas criaturas, como é que isso é possível?
Muitas pessoas vêem Deus como uma figura autoritária e legalista. Não conseguem enxergar a graça do Pai. Por esse motivo, vivem tristes e incapazes de desfrutar o profundo e insondável amor de Deus.

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Cana quebrada

Pois é, pessoal... Prometi que seria mais frequente aqui pelo blog mas não consegui cumprir a promessa. Além da correria das ocupações pessoais, somou-se a falta de internet lá em casa (isso mesmo, estou neste momento numa abençoada lan house).
Mas tem um fato que eu tava há alguns dias pensando em compartilhar com vocês e resolvi fazê-lo hoje. É que o gupo de jovens da minha igreja resolveu evangelizar através de distribuição de folhetos. Apesar de duvidar muito da eficácia desse método num lugar em que todos, além de já terem ouvido falar de Jesus, têm o maior preconceito da igreja evangélica, resolvi dar uma força.
Ao entregar um folheto a um senhor, este respondeu imediata e grosseiramente: "Isso tudo é mentira!"
Poderia ter discutido com ele. Poderia também ter dito ironicamente que aquilo tudo era mentira mesmo e que ele era muito simpático.
Mas fiquei a pensar como deve ser ruim uma pessoa viver sem crer em nada. Sem esperança. Sem um propósito para a vida. Achei que aquele senhor deveria realmente ser muito triste e amargurado.
Poderia, de fato, discutir com ele. Mas Deus não pisa na cana quebrada.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Experimente você também esse AMOR!

De madrugada ele voltou ao pátio do Templo, e o povo se reuniu em volta dele. Jesus estava sentado, ensinando a todos. Aí alguns mestres da Lei e fariseus levaram a Jesus uma mulher que tinha sido apanhada em adultério e a obrigaram a ficar de pé no meio de todos.

Eles disseram:

— Mestre, esta mulher foi apanhada no ato de adultério. De acordo com a Lei que Moisés nos deu, as mulheres adúlteras devem ser mortas a pedradas. Mas o senhor, o que é que diz sobre isso?

Eles fizeram essa pergunta para conseguir uma prova contra Jesus, pois queriam acusá-lo. Mas ele se abaixou e começou a escrever no chão com o dedo. Como eles continuaram a fazer a mesma pergunta, Jesus endireitou o corpo e disse a eles:

— Quem de vocês estiver sem pecado, que seja o primeiro a atirar uma pedra nesta mulher!

Depois abaixou-se outra vez e continuou a escrever no chão.

Quando ouviram isso, todos foram embora, um por um, começando pelos mais velhos.

Ficaram só Jesus e a mulher, e ela continuou ali, de pé. Então Jesus endireitou o corpo e disse:

— Mulher, onde estão eles? Não ficou ninguém para condenar você?

Ninguém, senhor! — respondeu ela.

Jesus disse:

— Pois eu também não condeno você. Vá e não peque mais!

João, capítulo 8, versos 1-11.