sexta-feira, 13 de junho de 2008

Milagres ainda acontecem?


A postagem anterior, na qual comentei sobre um famoso tele-evangelista (ou tele-vigarista) que foi desmascarado, dá ensejo a uma reflexão bastante interessante: milagres ainda acontecem?

Nesse campo as opiniões são as mais diversas. Enquanto, para alguns, milagres não existem e nunca existiram, para outros, esses milagres são tão naturais que quase perdem sua qualidade de extraordinários (veja, por exemplo, o "Show da Fé") . Há também quem reconheça que eles aconteciam nos tempos bíblicos, mas que hoje não acontecem mais.

Confesso que nunca vi acontecer na minha frente qualquer milagre da envergadura daqueles que são relatados na Bíblia. O que acontece, muitas vezes, é que fenômenos que poderiam ser explicados normalmente de outras formas são considerados intervenções divinas diretas.

Em contrapartida, não posso negar também que, não poucas vezes, ocorrem algumas coisas que não podem ser justificadas de maneira convencional. De fato, não consigo explicar muitos acontecimentos da minha vida, o que dá indícios de uma participação sobrenatural.

Mas, além destas opiniões que já são bastante conhecidas, existe uma maneira especial de se encarar a existência dos milagres.

Há algum tempo assisti a alguns episódios de uma série que tentava explicar vários fenômenos narrados na Bíblia. Explicavam, por exemplo, como poderia ter acontecido o episódio da sarça ardente e o do Mar Vermelho que se abriu. Nesses casos, algumas justificativas naturais foram encontradas, mas não se conseguiu explicar como, por exemplo, o Mar Vermelho teria sido aberto exatamente no momento em que os hebreus fugiam do exército de faraó.

Parece que tudo depende de como os fenômenos são vistos. A sarça que ardia e não se consumia poderia ser explicada racionalmente. Mas como explicar a voz e a ordem divinas para que Moisés liderasse o povo em direção à liberdade? Creio que esse princípio pode ser aplicado em várias circunstâncias.

Tudo isso me faz lembrar uma frase que diz que existem duas maneiras de se viver: como se milagres não existissem ou como se tudo fosse um milagre. O que acontece na sua vida, portanto, pode ser visto de um prisma natural e também de um sobrenatural. Afinal de contas, Deus é soberano e mantém o controle de todas as coisas.

2 comentários:

Fáttima disse...

Bem,creio que milagres ainda aconteçam, partindo do ponto de que milagres sejam fenômenos totalmente inexplicáveis, só nao posso entender como eles passaram a ser algo tão "rotineiro" em nosso dias, sinceramente não creio nessa enxurrada de milagres, principalmente quando frenquentemente leio, ou ouço propagandas que as diversas igrejas fazem para atrair fiéis. Nessa semana mesmo, ví um faixa enorme na porta de uma igreja que dizia: Em busca de milagres?Então venha e participe dos nossos cultos.
Mas,realmente Anderson a vida é o maior milagre que podemos v, at pq até hoj a ciência cria teorias, as aperfeiçoam mas explicar realmente e indubitalvelmente como ela foi criada é impossível!

Franck disse...

Enquanto isso Anderson,onde está Deus? Esse é um dos problemas mais inquietantes. Quando a pessoa se sente feliz,tão feliz que nem parece precisar dele,e a ele se chegar a fim de louva-ló,é recebidos de braços abertos. Mas o que acontece quando a ele se dirige em situação desesperadora,a despeito de tods os seus esforços?
A porta se lhe fecha e,por dentro,é duplamente aferrolhada.
Os sintomas e a doença não são a mesma coisa. A doença existe bem antes dos sintomas.São os sintomas,não a doença,o começo da cura. O fato de serem indesejáveis faz de todos eles mais um fenômeno da graça,um dom de Deus,uma msg do inconsciente p/se quiser iniciar o auto-exame e o restabelecimento.